As experiências sensório-preceptivas-motoras que o  bebé  vivência diariamente nas diferentes

atividades, permite que de forma contínua essa informação chegue ao sistema nervoso central

(aferências), para organizar a representação interna e o conhecimento do seu esquema corporal,

que lhe irá permitir uma variabilidade de reportório de movimentos para as suas atividades e

participação, permitindo a adaptação das respostas motoras a cada situação específica. A

análise e conhecimento dos componentes do desenvolvimento do bebé permite precocemente

perceber e intervir especialmente no bebé com alterações neuromotoras. Compreender a relação

entre os aspetos neuromotores, sistemas sensoriais, a biomecânica e cinesiológica do controle

postural e do controle motor necessários para garantir um desenvolvimento típico, refletindo-se

num processo de avaliação do bebé, em elaborar a hipótese, planear intervenções/ tratamento e

aplicação do raciocínio clínico a cada momento, reflexão em cada sessão e após cada

intervenção, numa perspetiva segundo o Conceito Bobath em Pediatria.

Os bebés com menos vivencias motoras, este conhecimento se si próprios está limitado e por vezes as oportunidades criadas e vivenciadas são escassas e pouco variadas, dificultando-lhes a interação e o conhecimento de si próprias, com recurso a poucas soluções para promover o seu desenvolvimento e resolução de problemas.

Todas as oportunidades de exploração promovem o input sensorial, quer relativamente à variabilidade e tempo de informação, que irão permitir a aprendizagem motora, no sentido de o bebé ser capaz de selecionar e modificar ou adaptar a resposta para interagir com o ambiente e ou diferentes contextos em que participa e nas rotinas diárias que uma bebé está exposto. Observar a resposta sensorial do bebé, na manipulação de movimentos, no ambiente, identificar sinais de stresse antes, durante e após a intervenção, responder aos sinais do bebé e aprender a ler a comunicação do bebé e estabelecer um relacionamento com o bebé, são fatores fundamentais para um terapeuta que pretenda trabalhar com bebés, especialmente quando temos diversas patologias associadas.

Como ponto principal da intervenção em bebés segundo o Conceito Bobath em Pediatria, é fundamental a concertação do trabalho duma equipa interdisciplinar, por forma que a criança encontre as próprias soluções para os problemas, para ajustar e desenvolver o seu potencial em qualquer domínio, repercutindo-se numa integração das competências para um desenvolvimento mais harmonioso, facilitando a regulação e estabilidade fisiológica, auto-regulação, organização motora da atenção e interação.

A European Bobath Tutors Association recomenda a atualização regular dos terapeutas certificados no conceito. Este curso destina-se a Fisioterapeutas, Terapeutas Ocupacionais e Terapeutas da Fala que tenham completado, com sucesso, o Baby Course básico. O programa do curso foi planeado com o intuito de atualizar e aprimorar o raciocínio clínico e as habilidades de manuseio (facilitação) adquiridas no Baby Course de duas semanas.

GAY GIROLAMI

  • Licenciada em Fisioterapia pela Marquette University (Estados Unidos da América).

  • Mestre em Fisioterapia em Pediatria pela University of North Carolina (Estados Unidos da América).

  • Doutorada em Ciências do Movimento pela University of Illinois (Estados Unidos da América).

  • Diretora e Professora no Departamento de Fisioterapia da University of Illinois (Estados Unidos da América). 

  • Formadora internacional do Conceito Bobath em Pediatria nos Estados Unidos da América, Europa e América do Sul.

  • Autora de diversos livros e artigos científicos na área da avaliação e tratamento de crianças com alterações neurológicas.

ANA MOREIRA

  • Licenciada em Fisioterapia pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde do Porto.

  • Mestre em Intervenção Precoce pela Faculdade de Ciências da Educação e Psicologia da Universidade do Porto.

  • Doutorada em Atividade Física e Saúde pela Faculdade de Desporto da Universidade do Porto.

  • Formadora Sénior do Conceito Bobath Pediátrico - Tratamento do Neurodesenvolvimento (European Bobath Tutours Association).

  • Coordenadora Nacional da equipa do Conceito Bobath em Pediatria.

  • Membro do Departamento Médico do Comité Paralímpico de Portugal..

  • Classificadora Sénior da CP-ISRA (Cerebral Palsy - International Sports and Recreation Association), IPC (International Paralympic Committee) em Atletismo, BISfed (Federação Internacional de Boccia) e Soccer for Cerebral Palsy.

  • Prática privada exclusiva em Pediatria.

No final do curso, os formandos terão desenvolvido as seguintes competências:

  • Avaliar e identificar fatores que impedem a aquisição de habilidades motoras funcionais nos bebés com alterações neuromotoras.

  • Priorizar os principais problemas e justificar o raciocínio clínico na avaliação e intervenção. 

  • Desenvolver um plano de intervenção relacionado a priorização de problemas, no sentido de atingir uma meta funcional e apropriada a cada criança.

  • Planear e implementar intervenções estrategicamente direcionadas ao raciocínio de priorização dos problemas.

  • Desenvolver e aperfeiçoar as habilidades de manuseio (facilitação) na intervenção em bebés com alterações neuromotoras.

  • Desenvolvimento típico do bebé e sua aplicabilidade à intervenção terapêutica.

  • Avaliação de fatores limitativos da aquisição de habilidades motoras funcionais em bebés com alterações neuromotoras.

  • Avaliação de capacidades sensório-motoras, de acordo com a idade cronológica.

  • Avaliação de parâmetros motores em bebés prematuros, de acordo com a idade corrigida.

  • Raciocínio clínico na avaliação e intervenção terapêutica.

  • Desenvolvimento de planos de intervenção adequados a cada caso clínico.

  • Habilidades de manuseio (facilitação) na intervenção com bebés com alterações neuromotoras.

  • Facilitação de sequências de movimento do 2º trimestre de acordo com o desenvolvimento do bebé.

  • Facilitação de sequências de movimento do 3º trimestre do desenvolvimento típico do bebé.

  • Facilitação de sequências de movimento no conjunto postural em bipedestação.

  • Adequação do handling ao bebé.

  • Ensino aos cuidadores de posturas e padrões de movimento mais adequados às alterações motoras presentes. 

  • Ensino à família em reconhecer os sinais de desorganização e stress do bebé como resposta ao manuseio.

  • Estudos de caso e exemplos clínicos. 

  • Evidência científica e clínica.

07, 08, 09, 10 e 11 de julho de 2020

09h às 17h

Fisioterapeutas, Terapeutas Ocupacionais e Terapeutas da Fala que tenham concluído, com sucesso o Baby Course básico (2 semanas).
Solicita-se o envio de cópia do certificado de frequência do curso Baby Course básico para secretaria@formaterapia.com

Inglês, com tradução parcial para português sempre que necessário.

20 vagas

Centro de Formação da Formaterapia | Grande Porto

Rua Almeida Garrett, 271

4480-725 Vila do Conde

 

650€ (inclui manual do curso, certificado DGERT e 10 coffee breaks)

Pagamento de 100% no ato da inscrição ou em duas prestações de 50%: a primeira aquando da inscrição e a segunda até uma semana antes da data de realização do curso. No caso de pretender sugerir um plano de pagamento alternativo, envie-nos um email para info@formaterapia.com.

 

O critério de seleção dos candidatos é a ordem de receção das inscrições.

A sua inscrição só será válida se nos enviar o comprovativo de pagamento e a cédula profissional/diploma de curso.

No caso de desistência, o valor pago apenas será reembolsado no caso da vaga ser preenchida.

A Formaterapia reserva-se o direito de cancelar o curso no caso de não obter um número mínimo de inscrições.

A realização do curso será confirmada na semana seguinte à do termo do prazo de inscrições.

O local de realização do curso poderá ser alterado num raio de 10km. Os formandos serão notificados até uma semana

antes da data de realização do curso. 

Política de Privacidade

Termos e Condições

Regulamento de Formação